14jun

Estudo do dia 23/01/2014 Os Milagres

Dando inicio ao nosso encontro de hoje vamos mais uma vez elevar nossos sentimentos em Gratidão pela oportunidade de mais este encontro onde encarnados e desencarnados podem juntos, aprender e se comunicar. Agradecemos a todos esses companheiros que no mesmo objetivo nos proporcionam momentos de grande aprendizado.

Vamos agora aguardar o comunicador que vai representar o grupo de desencarnados nos trazendo as informações da nossa aula de hoje. O assunto abordado – Os Milagres.

Boa noite! Meu nome é Ambrósio!* Eu faço parte dos dois grupos – o de estudos – mas também sou um dos trabalhadores da fazenda Colônia. E eu tentei falar o nome da fazendo para quem esta nos ajudando, mas não deu, então vai ficar sem nome por enquanto. Só Colônia.

Eu – Seja bem-vindo Ambrósio, nós estamos gratos pela sua presença, e com o coração cheio de Amor nós o recebemos para os ensinamentos de hoje.

Vou me referir a esse companheiro com a inicial A.

A – Moro na fazenda como já mencionei que abriga ex-escravos. Nós já falamos um pouco sobre isso. Bem Vinda é que coordena a Colônia e desde o inicio eu fui um elo com o grupo de estudos. Faço parte do grupo de estudos também. Então eu estou aqui com o apoio de Bem Vinda, mas também como um porta voz do grupo de estudos. Já estudamos o assunto, e, aqui estou para falar um pouco do que foi abordado sobre o tema de hoje. A primeira coisa que é importante lembrar quando se pensa em Milagre, é que Milagre para que seja considerado um Milagre deve ser algo surpreendente, e o que é mais importante de algo surpreendente – não é o fato – mas é quem se surpreende. Então a maioria dos Milagres é considerada como Milagre simplesmente porque as pessoas que o vivenciaram se surpreenderam – na maioria das vezes por desconhecimento da possibilidade da ocorrência desse fato. Imagine vocês a tecnologia que vocês usam agora no mundo encarnado. Imagine levar essa tecnologia para alguém que cresceu na idade media. Talvez isso nem fosse visto como milagre, e sim como manifestação do demônio, que parece ser até mais grave. Então o Milagre tem sempre esse significado de algo surpreendente, e a maioria das pessoas acham que o Milagre é a ocorrência de algo que seria impossível – e o que é o impossível? É bom que se pergunte! Talvez para algumas pessoas, ver uma maquina metálico voando no céu do planeta Terra seja um Milagre, pareceria impossível já que as aves são tão leves, e algo tão pesado voar – mas a partir do momento em que você tem conhecimento que existem aviões, deixa de ser milagre. A maioria dos Milagres tidos como Milagres foram manifestações do que saia um pouco do que se está acostumado a ver – ouvir – degustar – cheirar – ou tocar. Só isso!

Eu – Mas e quando acontecem os milagres pedidos aos santos, por exemplo, recebi um Milagre de Nossa Senhora Aparecida – recebi um Milagre do Santo tal.

A – O texto que você leu de inicio explica exatamente isso. E o que acontece é muito mais a intenção da prece. Porque como já foi dito por Bem Vinda na ultima reunião sobre O Querer e o Poder, a maioria das pessoas querem muitas coisas. Os encarnados, e não pense que é diferente entre os desencarnados, há muito querer! Querer, querer… O desespero do querer. Mas muito poucas pessoas sabem receber.

Eu – O receber esta no Poder? Seria isso?

A – No Poder sim, não no sentido de Poder de posso, de Ser Capaz. Não no poder terreno.

Eu – No Poder de aceitação?

A – Isso! No Poder de aceitação. Mas o que acontece é que muita gente pede, pede, pede – e quando recebe nem percebeu que recebeu, e não desfruta do que recebeu.

Eu – Mas e o santo? Como fica isso.

A – O que você acha?

Eu – Eu sou incrédula nesse assunto. Prefiro nem dar a minha opinião.

A – O santo funciona quase como um catalizador da energia da prece, assim como em algumas denominações religiosas isso acontece com objetos. Veja bem, há festas que são feitas em praias, você acha que os orixás vão ficar na praia para acompanhar o ritual? Na maioria das vezes não, porem, ir até a praia significa catalisar, aumentar essa energia. O que significa catalisar? Potencializar a energia. Então o santo passa a ser um potencializador. Agora veja! Temos vários porem nessa estória – só ficar pedindo pro santo e não fazer nada, ai realmente se acontecesse seria um milagre. E esse tipo de milagre não existe. E outra coisa, como já foi falado aqui. Muitos dos que temos como santos eram tão ou mais confusos que os espíritos encarnados na atualidade e não tem condições de responder aos pedidos que lhe são feitos.

Eu – É ai que eu quero chegar! Qual o peso que fica para essa entidade já desencarnada com essa cobrança. Porque eu parto do principio que se você não tem para si, não vai ter o que oferecer ao outro. Sabemos que tem espíritos que desencarnam e chegam a ficar com problemas mentais devido a essas cobranças dos encarnados pedindo esses milagres.

A – Na maioria das vezes não há peso nenhum se essa entidade não prometeu nada. Vamos ver Nossa Senhora Aparecida, uma imagem de Nossa Senhora mãe de Jesus, que por milagre, e muito interessante, surgiu num rio – junto com peixes. Quem é Nossa Senhora Aparecida? Foi alguém? Uma imagem! Por isso a popularidade atual, porque é uma forma inclusive de olhar Maria com outra forma – diminuindo o apelo direto a mãe de Jesus. Criou se isso, inclusive com o apoio espiritual. Criou-se uma maneira de diminuir um pouco as responsabilidades do espirito Maria – e um objeto passa a fazer esse papel, com isso catalisando, ou seja, fazendo com que o foco se aproxime mais das coisas de uma mãe. De uma mãe bondosa. Assim a prece será mais facilmente atendida.

Eu – Então as imagens são catalizadores. São pontos de concentração onde a energia é concentrada e recolhida.

A – O maior problema da prece é a falta de foco. Essas imagens facilitam o foco.

Eu – É. Começamos a orar dai a pouco a mente esta no supermercado, na divida para pagar…

A – Então a falta de foco é um dos maiores problemas, imagine alguém te pedindo alguma coisa dessa forma: preciso de um coo, tenho que ir ao mercado, há preciso de um copo, um copo acho que … Não dá né! Ainda é capaz de reclamar que o outro não deu o copo.

A – Então tem que conseguir um foco. É interessante que eu tenha um santo como referencia. A maioria das tradições religiosas tem conhecimento das leis naturais. Todas elas aprenderam algo das leis Divinas, e trazem isso! Você vai achar então agrupamentos que como você disse os Santos, os Orixás, as deidades Budistas, símbolos xintoístas. Cada um desses grupos vai ter isso como foco. E muitas vezes têm pessoas que vai dizer: Não acredito nisso! Mas vai ter um livrinho embaixo do braço, que também não deixa de ser um símbolo. O Espirita às vezes, de forma pouco caridosa diz que os símbolos não devem ser utilizados, mas o seu copinho com agua sempre está presente.

Eu – É tão contraditório tudo isso. Né?

A – O que se tudo isso faz, é catalisar, buscar foco. As tradições Orientais vão falar muito sobre isso, e eles tem uma percepção de milagre muito diferente. Para eles nada é milagre, tudo são possibilidades. Porque eles aprenderam assim. Nas tradições Ocidentais é que se fala muito mais do milagre.

Eu – Isso tem a ver no Ocidental de ele ter uma dificuldade maior de assumir a responsabilidade por sua vida, por si mesmo? Porque o Oriental é mais focado em si mesmo. Né?

A – Não tem a ver com responsabilidade, porque todos que estão encarnados estão no mesmo barco. Muitas vezes esse voltado para si mesmo, fica muito no Ego. Quantos não parecem iluminados e são seres egoístas visando só os seus bem estar. Muitos martirizam o físico porque alguém os convenceu que martirizar o físico fortalece o espirito. É só mais uma maneira de buscar vantagens. O que o diferencia de um empresário corrupto, por exemplo? Que está levando vantagem. Então é importante saber que em ambas as culturas muitos seres estão mais preparados e seres muito pouco preparados. Mas que estão buscando. Então o milagre, mais uma vez, nesse sentido de acontecer – não existe! Porque o que é o impossível? O impossível é o que eu ainda não vi acontecer?

Eu – No benzimento é a mesma coisa?

A – Como assim? Não entendi a sua pergunta?

Eu – Porque as pessoas que benzem sempre diz que tem alguém que trabalha com ela, e sempre usa uma erva ou um objeto. É também um catalizador?

A – Sim.

Eu – Então não tem a ver com mentor, ou com a planta.

A – Ou tem a ver com tudo isso. Pai Benjamin já explicou tantas vezes que cada caso é um caso e que muitas vezes o que eu preciso é da energia da Erva, e não do seu elemento químico, ou principio ativo, e se eu conseguir capitar a energia da Erva sem precisar matar o seu principio ativo, eu vou estar usando níveis muito mais elevados dessa planta.

Eu – Não preciso ferir a planta tirando suas folhas ou galhos.

A – Exatamente! E algumas ervas se prestam a isso muito mais, os encarnados conhecem e os desencarnados também. Algumas Ervas, inclusive, se fazem mais energéticas, tem efeitos muito mais curadores ou menos curadores, mais específicos e menos específicos.

Eu – Quando essa pessoa ela consegue esse milagre sozinha, um exemplo: Uma pessoa tem câncer… ultimamente temos visto cada vez mais pessoas se curando através da Fé, temos visto muitos depoimentos mostrando isso…

A – Filha! Desculpe te interromper – mas não é o que eu vejo. O que eu mais vejo, são as pessoas se adoecerem com a fé, com a fé na sua baixa autoestima, com a fé no seu pouco amor… com a fé nas besteiras que escutaram. E vejo tão poucas pessoas buscarem a verdadeira cura através da Fé.

Eu – É! Vê-se muito mais doença que cura. Isso é real, e é uma realidade dolorosa.

A – E o pior… é muito mais fácil atribuir a doença ao outro. Eu tive isso por causa de um vírus. Tadinho do bichinho!Tive isso por causa de um surto, por causa de…

Eu – Fulano me magoou há vinte anos e eu não esqueço essa magoa.

A – Issoooo! Quem segura a má água (magoa) é responsável por ela. Se eu te dou uma água ruim, o que você deve fazer com ela?

Eu – Jogar fora. Né?

A – Então! Porque você segurou?

Eu – Porque gostei dessa agua né?

A – Isso. Era uma má agua, mas você segurou. Segurou! Assume. Se der consequência à responsabilidade é sua, não do outro.

Eu – E quando se consegue a cura? Porque existem os que conseguem.

A – O conceito de cura se você for pensar no tempo. O que é a cura?

Eu – Ai lá vem você de novo fundir minha cabeça. Se você se curar de uma doença nesta encarnação, dentro desse tempo infinito não vai ser muito bom?

A – Não sei! Depende da sua reação! Todo presente que você ganhou foi bom? Alguns talvez vocês tenham usado para ferir alguém, ou tenha sofrido acidentes por causa deles. Depende do uso que fez com o que você ganhou.

Eu – Você esta dizendo que às vezes nós… Que a luta que fazemos para conseguir essa cura pode trazer resultados não positivos porque necessitávamos desencarnar passando pelo processo da doença. É isso?

A – Não! Encarnar ou desencarnar é tão pouco importante neste assunto. Importante é o que você pensa disso. Quanta gente se curou e se acha melhor que os outros. Olha como eu sou bom!

Eu – Você quer dizer do ego. Ai é melhor o câncer, né? Isso é o orgulho.

A – O orgulho mata. Mas mata outra coisa, não o corpo físico.

Eu – Essa pessoa que se curou e usa disso para incentivar outras pessoas, não é bom?

A – Para isso tem que estar no coração. Porque se ele achar que todos que morreram são uns perdedores. O que você acha?

Eu – É! Porque o que se vê muito gente dizendo que se conseguiu se curar o outro também pode se curar.

A – Ótimo! Muito bom. Mas se a pessoa disser, ou pensar que se o outro não se curar é porque não é tão bom quanto ela – isso é falta de caridade. Dizer que é possível. Que bom! É um incentivo. Mas se você não se curar, não se preocupe! Morrer é só morrer. É momento.

Eu – É como já disse Benjamin: Temos que dar ao outro o direito de morrer.

A – Vocês usam muito esses termos, luta, derrota, perda… Eu perdi fulano. Desde quando fulano foi seu? Você achou o fulano? Ninguém perde ninguém, nós apenas vamos. Voltamos! E não pertencemos a ninguém. É um aprendizado. São ciclos. E temos que entender isso. Não só no plano desencarnado, mas também no plano encarnado. Vocês continuam vendo desencarnar como uma derrota, e não é assim. É só voltar para o plano espiritual. E isso não é derrota.

Eu – É! Nós precisamos aprender um pouco sobre o desencarne

A – Imagine alguém que vai desencarnar e acha que desencarnar é uma derrota, com todo esse crença que Deus é Fiel. Vai se sentir uma ameba quando morrer. Cadê esse Deus Fiel… Quando na realidade é só mais um movimento, e nós estamos em movimento o tempo todo…Cuidado com o conceito de cura como milagre. Às vezes o desencarne é o milagre.

Eu – O desencarne pode ser a cura. Né? E a doença o milagre.

A – Sim! Quantos através da doença desceram do seu pedestal de orgulho e se tornaram seres humanos melhores. Quantos através da maneira que escolheram morrer, da maneira que desencarnaram, não deram exemplos incríveis para os que aqui ainda permanecem. E o que é mais importante? Alguém sair por ai dizendo que é forte, que é amiga de deus? Eu me curei e se você não se curar o azar é seu. Ou então dizer, olha eu estou morrendo!!! É possível morrer com dignidade. É possível ser feliz neste momento da morte, porque todo mundo vai desencarnar filha! As pessoas chegam aqui no plano desencarnado numa confusão tão grande, porque elas se acham derrotadas, é como se elas tivessem perdido uma corrida. Como se elas tivessem perdido uma competição. E a vida não é uma competição. Parem de competir! Aquele que é curado não é aquele que ganhou a medalha, porque não tem medalha. Muitas vezes a cura é a perdição. Não pela cura, mas pela energia que se usa por causa da cura.

Eu – A maneira que a pessoa manifesta isso?

A – Sim! Quando falta a humildade!

Eu – E quando acontece por exemplo; tem na medicina, nos terapeutas, nas religiões… Os milagreiros. Eu curo tudo, desde a unha encravada até o HIV.

A – Ai aquele pobre santo que se desgastou porque não era tão santo, mas recebeu muitos pedidos, se tornou responsável e carrega nas costas tanta energia, e que prefere muitas vezes ficar estagiando no que vocês chamam de umbral. Lá esta um pouquinho melhor do que esses que você citou agora. A situação desse é pior

Eu – É ai que entra o caso que nos foi explicado pelo Benjamin que muitas vezes esse espirito tem que voltar temporariamente com problemas físicos e mentais para aliviar essa energia. Porque a carga é tão pesada quanto à promessa que fez e não pode cumprir.

A – Exatamente! Quis se arvorar em ser o bom… isso é muito orgulho! E isso tem consequência. E não é castigo não! É simplesmente ter plantado abacaxi e ter que comer o abacaxi, muitas vezes com casca. Porque é o abacaxi que vai ter para comer. Não vai colher melancia.

Eu – É sempre dentro da Causa e Efeito Né?

A – Sim. Você que escolheu. E Deus é tão bondoso que permitiu você escolher. E ainda você tem duas saídas. Você pode mudar a qualidade das coisas que você planta, ou comece a gostar de abacaxi.

Eu – Nada escapa desta lei de Causa e Efeito. Né?

A – Porque tudo faz parte da lei da natureza. E a Lei natural é imutável quer você queira, quer não. Querem esses grandes curadores queiram, ou não.

Eu – Então quando conseguirmos lidar com nossos sentimentos, e emoções a doença deixa de existir?

A – Ou não? Ai eu começo a aceitar a doença e saber respeitar limites. Lembra que Bem Vinda falou dos limites? Temos limites! Estar encarnado é aprender a lidar com limites e o maior limite da encarnação é a finitude da própria encarnação.

Eu – É você se encaixar dentro dos acontecimentos e aceita-los.

A – Você não precisa ser uma pessoa que curte a doença, mas a encarnação tem limites.

Eu – É porque a morte é inevitável, né? Seja ela por doença, ou pelo tempo, ou por um acontecimento. Ela faz parte do nosso movimento.

A – Sim! E quando nós entendemos isso fica tudo mais simples. A morte não é uma perda. A morte não é uma luta perdida. A morte só é um dos nossos momentos. Tem pessoas que nem chama a morte de morte, e sim de desencarnação porque tem muito medo disso. Tanto medo que até o nome tem que ser mudado. E mudar o nome das coisas mostra o medo.

Eu – É essa coisa de perder alguém, é complicado! Temos muitos apegos – é o meu isso – meu aquilo. Nós possuímos.

A – Como eu posso perder o que eu nunca tive, se eu nunca tive a posse de nada? Nós somos aqui um usuário dos bens do meu Pai. Nós temos que aprender isso. Não somos donos de nada. Estamos usando o que é da natureza. Ah! Mas o meu carro não tem a ver com a natureza. Claro que tem… tudo vem da natureza. Todo produto vem da natureza. Ah! Mas meu carro é artificial. Não existe nada artificial.

Eu – Eu moro num apartamento.

A – E de onde vem o cimento? Ah! Mas tem ferro. De onde vem o ferro? Não é da natureza? Então também tem limites, só vai poder usar o que tem na natureza. E tudo faz parte da natureza.

Eu – Depois desses nossos estudos eu estou chegando à conclusão que o que gera todo desequilíbrio é a nossa posse. É meu isso, é meu aquilo, meu filho, meu marido, meu… Vejo que esse apego é que causa muito sofrimento, acho que o ter é o maior causador do sofrimento. Não?

A – Sim. Com certeza, porque inclusive você passa a ver os outros como seres menores. Ai que bom que aconteceu isso com o filho da vizinha, não com o meu. Que bom que eu moro numa casa. Eu tenho o meu carro. O outro também tem uma mãe, também tem frio.

Eu – A posse gera a raiva, frustração, ódio, magoa. São muitos os sentimentos que geram a posse.

A – E ai quando perde você sente dor. E ai põe a culpa em Deus.

Eu – Em Deus ou põe a culpa no outro. É o tema que estou escrevendo agora, fala da nossa busca pela perfeição, para possuir, e o que não percebemos é que já somos perfeitos e que já temos tudo. Inclusive mostra como essa busca nos maltrata e nos menospreza.

A – Como já disse Benjamin, tudo que nos cerca é perfeito. É um egoísmo tão grande achar que Deus errou justo com você. O Sol nasce todo dia, a Lua, o ciclo da natureza… só com você que é errado.

Eu – Então porque tanta dificuldade de aceitação e de equilíbrio.

A – Porque eu quero, quero, quero… Mas não sei receber. Não sei receber nem a perfeição que Deus me deu.

Eu –E isso é muito profundo. Né? A gente cria coisas para não receber um presente que já é seu. Você já tem. Você é perfeito.

A – É a grande fonte de sofrimento. Lembra o que Buda já disse; A dor existe, o calor existe, o frio existe..Idiota é dizer que não existe. Mas sofrer é opção.

Alguém do grupo quer fazer pergunta?

Integrante do grupo – Os santos que a gente reza tanto, a maioria não tem condições de responder as propostas, e acredito que ninguém fica sem reencarnar, então ele vai voltar com alguma coisa para ser resgatada…

A – Só não se esqueça do seguinte: O plano espiritual vai proteger esse ser se ele estiver desequilibrado e muito dessa energia que lhe é direcionada nem chega perto dessa entidade.

Eu – Mesmo que esse ser tenha prometido sem poder cumprir essas coisas

A – Uma coisa muito importante é a consciência disso. A Bem Vinda disse uma vez dos nossos irmãos que chegam aqui na fazenda, ex-escravos, que não há dor maior do que ter a consciência de ter escravizado alguém.

Eu – Principalmente escravizar através da mentira.

A – Se a dor de ter sido escravizado já é grande, a dor de quem escravizou, quando toma consciência da energia que acumulou para si mesmo, é quase insuportável. Enquanto você esta fazendo isso você acha que está levando vantagem, mas quando a consciência vem, é uma das maiores dores, e um dos maiores impedimentos do caminho evolutivo desse ser. Ai ele pede tanto resgate que muitas vezes os nossos irmãos responsáveis pelo planejamento encarnatório aliviam tanto essa encarnação que ele pediu, porque não há nada pior do que a dor de ter feito o mal.

Integrante do grupo – Não citando nem uma religião…

A – Nem uma religião tem problemas, o problema é com as pessoas, com os espíritos que estão ligados a aquela religião. Nem uma delas tem toda a verdade, mas todas elas têm pontos que são verdadeiros, e quando você encontrar pontos que são verdadeiros e que estão no mesmo grau de importância em varias religiões tenha certeza que você está à frente a uma lei natural.

Outro membro do grupo – Segundo aprendemos que Deus responde as nossas necessidades, isso contrapõe ao que acontece, pois vivemos pedindo coisas que nem sei se precisamos. O que pedir perante a sabedoria dele e a minha necessidade. Pedir até quanto?

A – Veja bem! Deus só vai lhe fornecer o que você precisa, e ele vai sempre saber o que você precisa, o fato de você pedir está dentro da lei do livre arbitreo, que é uma lei que rege a natureza. Mas cuidado com o que você vai pedir e receber, de uma forma ou de outra, e é importante começar aprender a receber e a lidar com o que recebemos, quer encarnado quer desencarnado. Os encarnados lembram sempre de pedir coisas materiais e esquece-se de pedir que a fé seja aumentada e que a capacidade de receber o que se pediu seja ampliada. Quer dizer, você vai pedir o que você quer, e vai receber o que você precisa. Essa é a grande diferença. Aquele que muito quer, e que se frustra. Isso já foi falado por Bem Vinda, que só quer, quer, quer… e não aprendeu a receber nem o que precisa, e muitas vezes esse querer é tão especifico. Tem varias estórias que já foram contadas, tem a da moça que queria um marido, mas ele tinha que ter um metro e oitenta, e todos os homens que chegavam para ela tinha um metro e oitenta e cinco. Será que cinco centímetros faz um companheiro melhor? Se isso for tão importante, talvez fique sem companhia.

Eu – Eu acho que precisamos aprender a agradecer. Acho que quando agradecemos o que precisamos vem.

A – Toda prece deveria ser de Gratidão. Porque a Gratidão o reconhecimento do que se recebeu, é a oportunidade de receber mais. Como disse o texto, Deus esta sempre a nossa disposição. Não que Ele seja fiel, mas sempre a nossa disposição. Mas se você ficar ajoelhado implorando, reclamando, falado só da falta, ele vai achar que tudo que Ele te deu você não valorizou. E isso se chama ingratidão.

Eu – E isso também é valido na saúde né? Se só fica reclamando de doença, a doença vai permanecer em você. Porque é muito difícil canalizar saúde para quem valoriza tanto a doença, eu acho.

A – Sim! Tudo que você foca você vai receber. Simples assim. Foque na falta! Ah eu preciso tanto pagar minhas dividas, dividas, dividas. Vai ganhar mais dividas! Você está focando nas dividas. Aprenda onde botar o foco.

Eu – Aprenda muita coisa. Não é só o foco não!

A – Não tem milagre nenhum nisso! Se você ficar pensando numa coisa o tempo inteiro isso vai acontecer com você. É um fenômeno que alguns cientistas daqui já comprovaram. Quando você determina comprar um carro novo você só vê aquele carro, aquela marca, aquele modelo. Por quê? Por que você esta focado naquilo.

Eu – Ai explica o milagre, né? Porque se você pede, foca e se faz merecedor, recebe!

A – Exatamente! Se você souber receber. Porque tem gente que recebe, recebe, recebe e continua pedindo.

Eu – Ah! Então a pessoa já conseguiu, mas não percebeu.

A – Acontece sempre, já recebeu e não percebe que recebeu.

Eu – Continua pedindo! E ai Deus se enche e…

A – Sim! A energia fica nisso que é a falta, você está pedindo falta. O que você viu no texto é que Deus está querendo te dar o que você precisa. E cuidado com o que você pede. Não quero ficar doente, doente, doente.

Eu – Será que chega a Deus? Porque tem tanta balela que a gente pede e quer no nosso dia a dia, que acho que se ele, Deus, ficasse antenado estaria num hospital psiquiátrico.

A – Se Deus estivesse envolvido em tanta balela como você disse e que vocês acham que ele esta envolvido, é verdade! É muita futilidade.

Eu – Vamos ver uma coisa. A doença. No momento em que eu foco na doença, sinto medo, penso nela o tempo todo. Eu fico na energia, crio um vinculo com isso e trago ela para mim? Deus criou a energia, eu optei por ela? É isso?

A – Sim. Deus criou a energia, você focou na doença e o todo achou que ela

te traria prosperidade.

Eu – Porque Deus criou o bom e o ruim, eu é que vou determinar o que eu quero para mim?

A – Não! Deus criou a energia, você vai determinar se é boa ou ruim.

Eu – Então toda energia é neutra, ela não tem um discernimento. Eu determino sua condição e a canalizo para onde minha carência necessita. Eh! Mais uma vez vamos ficar batendo pino e avaliando tudo isso.

A – Mais uma vez o que é mais importante nisso tudo. Primeiro é a caridade acima de tudo. Milagre não acontece porque um é melhor do que o outro, ele muitas vezes vem para fazer alguém se perder. Então cuidado! Aja com caridade. Sempre com muito afeto e com muito amor, Amor verdadeiro. Lembrem que no meio de tantas historias incríveis, uma das primeiras comunicações (foi a primeira que tivemos sobre um tema) foi dada por uma das nossas irmãs do grupo que de uma forma não jocosa, mas mais metafórica preferiu se identificar como Yoshidhara, esposa de Sidharta Gautama – Buda, e muitos dos estudiosos Budistas, porque Buda trouxe grandes ensinamentos. Mas se aquela mulher não fosse desprendida, se aquela mulher não tivesse entendido antes a necessidade dele, nada teria acontecido. Temos que sempre ser caridosos, usar do Amor incondicional. Porque é triste que muitos encarnados achem que Sidharta Gautama iluminou. Isso é inconcebível! Acham que Jesus é o único filho de Deus e os outros são reles seguidores. Isso é impossível. Isso é típico do vagabundo que não quer se esforçar. É impossível chegar perto de Jesus, então eu lavo as minhas mãos. Ou se comporta feito gado que só vai conforme o comando, carreado. Então é importante perceber que muitas vezes o que a maioria esta fazendo não é o certo, e o fato de perceber isso não é o mais importante, mais importante é a forma que você for contra essa percepção. Isso vai determinar como você vai receber a colheita do que você plantou.

Eu – É, isso a gente vê muito no dia a dia.

A – Vou me despedir. Mais uma vez eu agradeço essa oportunidade. Agradeço a Bem Vinda que me permitiu. Ao Benjamin que se encontra presente, que nos orienta nesse grupo de estudos. E que se questionem sempre, qual a intensão. Qual a motivação. E onde eu poço estar agindo com orgulho ou egoísmo para que eu possa sanar minhas expectativas e evitar o meu próprio sofrimento e o sofrimento dos outros. Aqui me despeço desejando a todos uma boa noite. Nós aqui continuamos no grupo de estudos, e ao mesmo tempo cada um de nós tem um trabalho em alguma das colônias, alguns inclusive no umbral, e continuamos aqui estudando. Mais uma vez agradeço também aos seguidores da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Negros que vem nos ajudado com a tecnologia da comunicação.

Eu – Deixa-me só fazer uma pergunta final. Desdobrados no sono nós também podemos nos transportar para essa fazenda e assistir esses ensinamentos.

A – Muitos de vocês já assistiram.

Eu – Obrigada! Nós também temos imensa Gratidão a você, Bem Vinda, Benjamin e a todo grupo deste lado ai que nos acompanha e auxilia na sustentação da energia da comunicação. Gratidão!

Benjamin – Sabe filha aqui estou, eu, Bem Vinda, Ambrósio que passou as informações de hoje. E os que estão encarnados acham que tudo é fácil, que somos todos bonzinhos… você não imagina quantos feitores de escravos tem aqui, quantas gente já fez coisas do arco da velha, e isso é importante dizer sabe porque? Para vocês encarnados pararem com essa coisa de serem heroizinhos, de querer ser santos. Desses modelinhos que se mostram que estão sofrendo e que depois desencarnam com dor, de tanto que acharam que eram santos. Muitos dos que estão aqui ajudando agora tiveram encarnações terríveis. Mas perceberam isso, e resolveram ajudar. Mudaram sua atitude.

Eu – A partir do momento da consciência isso pode ser resgatado de uma maneira mais suave?

B – Não é suave filha! É só útil. Porque muita gente que tem a consciência senta e fica chorando de remorso, e sentar e ficar chorando não ajuda ninguém. Ficar no remorso não ajuda ninguém.

Eu – O importante é transformar essa energia em ajuda aos que precisam.

B – Exatamente! Colher o que você planta.

Eu – Uma pessoa que encarna, eu já ouvi estórias aqui assim, reencarnou com dificuldades mentais numa encarnação rápida para se desprender de promessas que não podia corresponder.

B – Cuidado com os julgamentos, cada caso é um caso. Nós não podemos achar a partir dai que todo mundo que encarnou numa encarnação rápida com problema mental… É importante que isso fique claro. Muito que tem encarnação rápida com problema mental está fazendo isso por Amor, algo nisso está envolvida nessa encarnação e está trazendo um grande beneficio para os que estão ao seu redor, então desprendidos e estão tão evoluídos que se permitem passar por isso sem sofrer. Porque vocês acham que estar sofrendo é ruim, mas muita gente esta passando por coisas que vocês creem ser sofrimento, mas só é oportunidade.

Eu – É uma opção do próprio ser?

A = Sim. A dor é uma realidade, o sofrimento é uma opção. Então cuidado! Cuidado!

Eu – O que você está dizendo é que eu posso sentir dor sem sofrer por ela. Difícil!

A – A dor é um grande aviso filha. É um grande aviso. Se você pisar num prego se não doer ele atola no seu pé, e ao invés de praguejar, agradeça essa dor e tira o pé do prego. Ele causou a dor para te impedir de que ele entrasse no seu pé totalmente. Mas se coloca a culpa no prego que está ali sem fazer nada. Você é que não viu ele e botou o pé onde ele estava. Então a dor é importantíssima! A dor é uma proteção. E eu preciso reconhecer do que eu estou sendo protegido. O prego poderia enfiar no seu pé e ficar causando muitos danos se a dor não te alertasse. A dor está me avisando. O Pai é tão bondoso que nos deu a dor para nos avisar que tem algo errado.

Eu – Então eu só continuo pisando ali se eu quiser. Né?

A – Eh. Mas tem tanto teimoso nesse mundo. Tanto encarnado como desencarnado! Mas não se cansam de pisar no prego, não. A vida assim é tão boa, filha!

Eu – Eu me orgulho de sofrer tanto assim, né?

A – Isso mesmo! Isso se chama Orgulho. Quer parar de sofrer? Pare! Tire o pé de cima do prego.

Eu – Acho que estamos tentando tirar o pé de cima do prego. Mas até quando?

B -Vamos encerrando.

Eu – Deixa-me perguntar uma coisa? Nosso próximo encontro pode ser sobre a energia Tectônica? Fiquei com algumas duvidas porque trabalho com magnetos há muito tempo e ouvi umas coisas relacionadas que deixou duvidas

B – Podemos sim, mas esse negocio de ficar mudando nomes das coisas como já disse Ambrósio, é blefe

Eu – Então não vale a pena?

B – As pessoas dão nomes floridos às coisas simples da natureza.

Eu – Dizem que está sendo usado na Apometria e que é uma energia que vem da quinta dimensão

B – Sabe filha teve um encarnado uma vez que trouxe essa técnica, e ai disseram que ele era maluco.

Eu – É o Mesmer né?*

B – Isso! Você já conhece filha essa técnica. E ele explicou isso bem melhor do que estão falando agora, viu!

Eu – A trinta anos atrás um médico usou em mim e me ensinou a técnica e eu uso magneto até hoje. Só não uso as mãos para direcionar a energia.

B – Todas as técnicas são boas filha, desde que alivie o sofrimento do outro, que melhore uma energia, que permita que o outro e você cresça um pouco. O que é ruim é você ficar espalhando que faz milagres e que inventou uma coisa que já existe, dando nomes pomposos. E que você vai se tornar o grande curador. Ai você vai ser mais um dizendo que se o outro não se curou é porque não é merecedor. Porque eu sou bom. Isso só é falta de caridade.

Eu – Eu queria saber se existe um ponto numa dimensão que existe essa energia e que pode ser canalizada.

B – Cada caso é um caso. Essa coisa de dimensão, de tempo! Cada um inventa o que quiser. A Apometria está precisando cada vez mais ser simplificada. Quando ela foi passada, porque é uma técnica que já está sendo usada há muitos séculos, milênios. Quando ela foi passada ela foi compilada. Até o nome Apometria foi uma criação, mas a técnica é muito simples e ficar dando nomes para a técnica, tentando enfeitar, fazendo isso, fazendo aquilo… O que vai fazer acontecer é a caridade, o Amor e o foco, esses são os benefícios. É exatamente como rezar para o santo, é precisar de um catalisador para não estar sem foco. Na hora da Apometria estar pensando na lista de compras de supermercado… No que vai fazer mais tarde, não vai resolver. Se quiser usar um magneto para potencializar a energia para qualquer coisa, que bom! Use! Não tem problema. Se você colocar ali uma florzinha vai fazer o mesmo efeito. E se você mentalizar a flor, melhor ainda porque ela vai se sentir muito feliz que você não a cortou. Use o que quiser, mas não de nomes, isso é só para confundir as pessoas e dizer que o meu trabalho é melhor que o do outro. Isso se chama ego! E dai vem à palavra egoísmo.

Eu – Obrigada pela explicação. Você quer que fiquemos em silencio um pouco

B – Sim, essa também é uma maneira de catalisar, vamos imaginar uma cascata de agua cristalina que vai lavando o seu corpo desde o topo da cabeça, a agua é de uma temperatura agradável, e é uma boa agua, que vai substituir a má agua (magoas). Gratidão!

*Ambrósio é um dos espíritos comunicadores do grupo de estudos.
*Franz Anton Mesmer médico Austríaco 1734/1815, pioneiro na cura com fluido magnético usando imas.
*Benjamin e Bem Vinda são também mentores da Fraternidade Cristais de Luz.

Tags: ,

As 13 leis da Apometria

Primeira Lei: Lei do desdobramento espiritual (Lei básica da Apometria). Enunciado: “Toda vez que, em situação experimental ou normal, dermos uma ordem de comando a qualquer criatura humana, visando à separação…

Homossexualidade

Estudo do dia 30 -09 -2013 No Evangelho. A instrução dos Espíritos, com o tema, O Dever. Vamos então elevando nossos sentimentos em gratidão por mais esse encontro, do nosso…