Estudo 30/09/2014 – Homossexualidade

Estudo 30/09/2014 – Homossexualidade
fevereiro 08 15:39 2015

Estudo do dia 30 -09 -2013

No Evangelho. A instrução dos Espíritos, com o tema, O Dever.

Vamos então elevando nossos sentimentos em gratidão por mais esse encontro, do nosso grupo aqui presente com a equipe espiritual que esta sempre nos trazendo tantos ensinamentos. Vamos dar inicio a nossa aula de hoje, o tema abordado, O Homossexualismo.

Vamos aguardar a manifestação do representante do grupo espiritual que vai nos trazer as informações de hoje.

O mentor se apresenta com o nome de Antero, e na sequencia vai ser identificado como A.

Eu – Antero seja bem vindo, é uma grande alegria e muita emoção ter você conosco nesta próxima hora.

A – Só quero lembrar que eu sou representante da ideia de um grupo inteiro.

Eu – Nossa gratidão a todos, de coração. Sejam bem vindos.

A – Eu posso não me considerar um palestrante, e sim um porta voz, das ideias e das discussões que já foram tratadas nesse grupo.

A – A primeira coisa que eu quero salientar, é a dificuldade da sexualidade como um todo, as confusões que ainda ocorrem, lembrando que no plano espiritual não existe a manifestação da sexualidade, como acontece no plano carnal. A manifestação da sexualidade no plano espiritual muitas vezes vai modula os comportamentos, mas não há necessidade da relação sexual entre nós desencarnados, como há esse impulso para os espíritos encarnados. É exatamente isso que ajuda a explicar muitos dos fenômenos relacionados à sexualidade entre os espíritos durante as encarnações – a dificuldade do controle dos desejos, e o contrario, a dificuldade também de colocar seus desejos frente ao outro e satisfaze-los quando eles são lícitos. Nas duas coisas situações tem dificuldades de se lidar com a sexualidade, que pode de um lado determinar comportamento dos agressivos, muitas vezes violentos, ou do outo lado determinar comportamento de desinteresse, de total aversão pelo relacionamento com o outro, então começamos dai, partindo dessa dificuldade de lidar com a sexualidade como um todo. Poucos são os encarnados que consegue extravasar de uma forma salutar essa energia tão grande e tão importante, posto que ela é a energia que também auxilia na realização do ponto de vista profissional e na realização também dos objetivos. Essa energia bem utilizada, e muitas vezes ela pode ser ampliada quando acontece um encontro sexual sem nenhum desejo espúrio, quando dois seres se entregam, com tranquilidade, com confiança e com Amor. Posto isso, o tema a ser abordado, a Homossexualidade, tem varias explicações; – Primeiro, já que a energia sexual é utilizada de outra forma no plano encarnado, muitas vezes ocorre certa confusão, mas o mais importante é que a encarnação, nada mais é do que a oportunidade de conhecer todos os tipos de manifestações, culturais, manifestações de personalidades, todos os espíritos são colocados juntos, – coisas que vocês já sabem que não ocorre tão facilmente no plano espiritual, já que no plano espiritual os grupos são isolados pela sua sintonia. Muitas vezes o que acontece é uma fixação de um espirito que por abusos, ou então por alterações de sua forma de utilizar a energia sexual de uma determinada encarnação, reencarna, inclusive com o compromisso de manifestar sua sexualidade de uma forma diferente do que a sociedade aceita, então mais uma vez, cada caso é um caso. Existem espíritos cuja manifestação da homossexualidade nada mais é do que o fruto de um abuso numa encarnação anterior existe outros espíritos, que ao encarnarem, no seu compromisso encarnatório, se propõe, muitas vezes, como um teste, visto que qualquer modificação da sexualidade pode também ser um passo mais fácil para a queda, não que a homossexualidade seja necessariamente uma queda, não interprete mal, mas o que se vê em muitos casos de homossexualidade é o desvio e o abuso, o abuso principalmente nos relacionamentos, os relacionamentos mais baseados no contato físico, e não no cuidado espiritual, cuidado intelectual. São relacionamentos só de corpo, e esses são muito pouco profundos, e esses também causam muitas vezes danos perispirituais, porque são dois seres que não se entregam, mas que buscam a satisfação egoísta de um prazer muitas vezes (roubando) e aqui, entre aspas a palavra roubando energia do outro, muitas vezes só interessados no prazer egoísta que o outro pode proporcionar. A manifestação da sexualidade quer seja heterossexual, quer seja homossexual, é uma possibilidade de encontros, é uma possibilidade de aprofundamento de relacionamentos, e se ela não for vista dessa forma, ela sempre pode trazer feridas, principalmente feridas perispirituais, e assim deve ser visto.

Eu – Então quer dizer que tem espíritos que encarnam com a proposta de trazer mudança, mostrar essa mudança no sexo, nos padrões sexuais, se a pessoa agir com respeito espiritualidade e amorosidade, ele vai estar dentro do que ele veio aprender com sexualidade?

A – Sim, muitas vezes é exatamente isso que ele precisa cumprir. É mostrar que mesmo que a manifestação sexual não seja a aceita pela sociedade, pelas famílias, ou mesmo que não seja voltada para a reprodução da espécie, ela pode também trazer um contato intimo que seja um revitalizador das energias, e aqui vale, não só para o relacionamento homossexual. Qualquer desses abusos, qualquer relacionamento voltado apenas para a atração física vai trazer um tipo de dano, todo relacionamento que não é pautado em amor, relacionamento sexual, quer seja homo, ou heterossexual que manifeste dominação, que manifeste poder, e que não manifeste o amor, e aqui quando eu digo amor, eu não estou dizendo atração física, estou dizendo manifestação de algo muito maior. O sexo é uma grande oportunidade de aprendizado, e ai você vê na humanidade esses grandes desvios que levam a infelicidade ser muito intensas, quer seja a atuação violenta no campo sexual quer seja a materialidade.

Eu – O que você chama de materialidade é o sexo pago?

A – Não só o sexo pago, muitas vezes nós nos preocupamos tanto com a história da prostituição, por exemplo, quantas vezes o pagamento não é em dinheiro…

Eu – É em tortura, né?

A – Sim, e isso não quer dizer que seja pior, ou melhor, o que é importante é saber que a homossexualidade pode ser inclusive uma oportunidade de crescimento, por que nada foi colocado atoa nesse mundo dos encarnados, esse desejo homossexual pode ser uma grande oportunidade de crescimento, desde que ele não se torne promiscuo.

Eu – Você quer dizer que o homem ou a mulher, podem ter essa manifestação homossexual, sem ter isso como missão nesta encarnação?

A – Sim pode!

Eu – E pode praticar isso sem que a conduta seja para aprender?

A – Sim. Pode ser para aprender, ou fazer com que essa atração homossexual possa levar a um relacionamento mais profundo, de respeito amoroso, porque não? E fazer desse relacionamento inclusive uma oportunidade para conviver com outros irmãos, e para auxiliar outros nas suas lutas, porque não?

Eu – Mas isso não podemos levar só para a homossexualidade, a maioria dos casais, (normais) vivem uma relação sem respeito e amorosidade.

A – Sim vivem as turras, poucos são os que conseguem manter relacionamentos que sejam uma boa troca de energia, na maioria das vezes o que ocorre é o vampirismo, e esse vampirismo não auxilia de forma nenhuma. Então a homossexualidade só é mais uma manifestação.

Eu – Vamos por assim. Hoje a época em que estamos, onde o sexo entre a mesma polaridade já está sendo aceito através do casamento eu pergunto: isso aumentou agora, ou antes, só era mais encoberto?

A – Tudo é cíclico, já houve períodos na história da humanidade encarnada que isso foi muito mais aberto, houve períodos de maior fechamento.

Eu – Teve períodos mais abertos que hoje?

A – Sim, ouve períodos de muita abertura da homossexualidade, se você pegar nos históricos da Grécia antiga, da Roma antiga, era até estimulado.

Eu – É já li alguma coisa sobre isso, que sexo assim era estimulado. E qual era o objetivo?

A – Era principalmente a dificuldade da diferenciação da energia do masculino e do feminino, os homens se sentiam mais a vontade com seus semelhantes, e as mulheres com as suas semelhantes.

Eu – O que isso significa, por exemplo, os homens se sentiam mais a vontade com seus semelhantes, e as mulheres com as suas semelhantes, significa uma barreira ao sexo oposto, por medo, insegurança… o que movimenta isso na separação do masculino e do feminino, que são energias que se atraem?

A – A dificuldade é que cada um de nós, mesmo aqui no plano espiritual temos manifestação das energias masculina e feminina, concomitantemente, e o que aconteceu é que em certos períodos a sociedade humana precisava estabelecer um pouco melhor quais eram as características de cada uma dessas energias, e se buscou então uma separação muito grande no papel da mulher, e no papel do homem, como se só o homem tivesse a energia masculina e só a mulher tivesse a energia feminina.

Eu – Como se só a mulher fosse a sensível e só o homem fosse o forte?

A – Exatamente. Então era quase um movimento pendular onde eu precisava radicalmente separar muito disso, e isso trouxe muito sofrimento também. Ao mesmo tempo já aconteceu o contrario em que em algumas sociedades as mulheres manifestavam energias masculinas muito grandes, e elas eram as grandes lideres, já houve sociedades matriarcais também, e também houve problemas porque era o outro lado da mesma moeda, só que radicalmente oposto. E o que nós precisamos perceber é a necessidade do equilíbrio, nem o homem é só dotado de energia masculina, nem a mulher é só dotada de energia só feminina, que cada um possa equilibrar, que cada um possa perceber a sua capacidade de manifestar, e manifestar na hora certa, eu não posso num momento de decisão ser acolhedor, eu tenho que decidir, e por outro lado, eu não posso num momento de tristeza ser agressivo, agressivo, não significa violento, ser agressivo, ser resolutivo. Muitas vezes eu preciso estar acolhendo, e é importante saber a hora certa de usar essas energias, e tomar posse dessa energia, assim como a luz não existe sem a sombra, as energias precisam de equilíbrio. E esse desequilíbrio foi se dando até pela necessidade do experimento, do ver como isso funciona, porque não há como perceber como algo funciona sem vivê-lo, então cada um de nós já viveu varias encarnações momentos do exagero da energia masculina no homem, do exagero da energia feminina numa mulher, e também ao contrario, o que acaba facilitando a homossexualidade. O exagero da energia feminina num homem, e o exagero de uma energia masculina numa mulher, e esse exagero muitas vezes trazendo uma energia incompleta.

Eu – Nós sabemos que a mulher, o feminino, é muito influenciado aos movimentos do planeta, pela energia da lua, das marés, o feminino tem muita influencia do movimento da natureza, a gravidez, a menstruação, o humor, os hormônios. O masculino também, o homem pode ser influenciado também por esses movimentos?

A – Veja, tanto homens quanto mulheres têm ambas as energias. Ok que o feminino esta mais ligada a terra, e vamos inclusive completar que o masculino é mais ligado à energia do céu, e não estou dizendo aqui a energia é boa ou ruim, mas energia mais cósmica.

Eu – Mas então os dois não têm as duas?

A – Exatamente, ai é que está problema é quando eu tenho o exagero de uma delas, e principalmente quando eu tenho um exagero deslocado.

Eu – O que provoca esse exagero, por exemplo, vamos falar do homem, quando ele se assume homossexualmente, e ele faz esse papel que é muito feminino às vezes, o que desencadeia esse exagero?

A – Mais uma vez cada história é uma história. Alguns, por exemplo, que se tornam caricatos, vem realmente para destruir algo ou até estão agressivamente contra algo que já viveram num momento passado, outros foram homens violentos que abusaram da sexualidade e que se arrependeram tanto disso depois de perceberem o quanto mal fizeram que vem então para ridicularizar.

Eu – Então é uma autopunição?

A – Muitas vezes! Não se esqueça de que as maiores punições são as determinadas pela nossa consciência. É bom lembrar inclusive, que no momento dos acordos pre- reencarnatórios a maioria dos nossos pedidos de autopunição são extremamente suavizados pelos espíritos que trabalham nessa área, mas muitos dos espíritos encarnados e que se tornam, como eu já disse caricatos, estão fazendo exatamente pelo escarnio que sentiram por essa posição, e muitas vezes ao contrario, pelo escarnio que sentiram pela posição da mulher, e por isso se tornam caricatos.

Eu – Por que muitos dos homossexuais, e eu digo isso pelo bom tempo que trabalhei e pesquisei com homossexuais portadores do HIV, (pesquisa essa que resultou em um livro, ´´A AIDS E A DESORDEM AFETIVA“), eles manifestam uma birra, ou inveja das mulheres, na maioria das vezes, mãe, irmãs, ou mesmo do feminino. É ai que encaixa isso?

A – Sim. Muitas vezes pela posição caricata, por terem inclusive vivenciado encarnações como mulheres que foram submetidas e submissas, então se tornam, naquele corpo masculino caricatos, então, agora a caricatura muitas vezes esta relacionado à encarnação passada, e a caricatura não tem necessariamente relação com a homossexualidade, é importante que se coloque que nem todo homossexual é caricato, nem todo caricato é homossexual. Não vamos generalizar.

Eu – A caricatura pode estar em qualquer situação, né?

A – Geralmente o que você despreza demais é o que você acaba demonstrando exagero… lembra-se daquela frase:“ Quem desdenha quer comprar´´ é um provérbio muito antigo.

Eu- Pergunto ao grupo se alguém quer fazer pergunta?

Participante do grupo – A gente lê que no plano espiritual, antes da gente encarnar, por exemplo, dois espíritos que se atraem como não tem sexo, os dois vem como mulher, ou como homens. Essa atração permanece aqui? Por isso que se da o homossexualismo?

A – Na maioria das vezes não, o que é bom lembrar é que o plano astral como vocês chamam, ou de espíritos desencarnados, é formado por inúmeras colônias diferentes, inúmeros extratos diferentes de sintonia. Quando eu digo, não existe a necessidade do contato sexual, existem extratos que isso acontece, de uma forma às vezes animalesca, há descrições e você vai encontrar em vários romances de áreas do umbral onde existem desvios sexuais aberrantes.

Eu – Tem um livro que explica muito bem sexo depois da morte.

A – Como eu já disse não há uma necessidade dessa manifestação, mas os espíritos podem continuar a manifestar, assim como existem aqueles que continuam a necessitar da fumaça do cigarro, da química das drogas, e da comida.

Eu – Esses espíritos para reencarnar eles vão passar por um processo de transformação nessa área que tem dificuldade, ou ele pode encarnar com essa necessidade e se tornar uma pessoa perigosa sexualmente quando encarnado?

A – As duas coisas pode acontecer, depende muito da possibilidade que lhe é dada, todos os que cometeram atos violentos, tinham oportunidade de não faze-lo, ninguém foi obrigado a fazer.

Eu- Por exemplo, um estuprador aqui encarnado, uma pessoa que abusa de outra sem permissão (esta certo que já nos foi explicado que não existem vitimas e nem vilões, porque o que sempre faz o movimento é a lei de causa e efeito) ele está se vingando?

A – Não necessariamente esta sendo vingado, é importante lembrar que a lei de Causa e Efeito não é uma lei de vingança, mas existe uma energia ai, mas o estuprador pode escolher não faze-lo. Ele tem toda condição de escolher não faze-lo. E na maioria das vezes quando os espíritos são bastante ligados por essa energia de afinidade, na encarnação ele se manifesta como amigos, não como companheiros ou como pessoas que sentem atração sexual.

Eu – Na pesquisa que foi feita quando eu trabalhei com homossexuais portadores do HIV, 80% tinham historias de estupro na infância, maioria por pessoas da família, tios, irmãos mais velhos, ou o próprio pai… Maioria deles crianças abusadas sexualmente na infância. Esse fato na infância pode levar a homossexualidade na vida adulta?

A – Veja quando você encarna você encarna com toda a energia de varias encarnações passadas, se você em encarnações passadas praticou abusos, essa energia ainda esta ligada a seu períspirito e ela acaba atraindo esse abuso.

Eu – Ela atrai esse abuso. Então eu que fiz, vou atrair para vivenciar a dor que causei.

A – Exatamente! Exatamente. Não é vingança, por favor, é a lei da causa e efeito que lhe esta trazendo uma oportunidade de vivenciar uma situação por outro prisma, além da causa e efeito é sempre uma oportunidade de vivenciar a situação num outro papel, às vezes você é o herói, às vezes você será o vilão, às vezes você é o mocinho, às vezes o bandido, mais ou menos assim. Às vezes você vai fazer o papel do padre, às vezes do noivo, assim você vai poder escolher naquele momento, você vai ter a oportunidade de interpretar algum ato que possa ferir o outro. Mas você pode escolher, dizer, não. Quantas vezes, no nosso dia a dia, nós podemos escolher dizer não e escolhemos pelo sim, só que alguns são colocados em situações que nós chamaríamos de mais intensas.

Eu – Nesse caso, um abuso sexual na infância pelo mesmo sexo não leva a pessoa na vida adulta a ser um homossexual?

A – Não, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Talvez você tenha tido uma visão um pouco desviada porque estava estudando esses casos, mas você já se perguntou quantos estupradores foram violentados na infância? Não são necessariamente homossexuais, a maioria é hetero sexual, mas tem um desvio do entendimento do que pode ser a relação sexual, então a relação sexual passa a ser uma forma de domínio do outro, e eles necessitam do domínio.

Eu – É porque muitos vivem numa corrente, ele foi estuprado, ele estupra, esse outro pode passar a ser um estuprador também. Nas pesquisas chegamos a isso, é uma ressonância.

A – Sim, porque essa energia gera o desvio sexual, mas não se esqueça, a escolha é de cada um.

Eu – Outra coisa, às vezes a pessoa esta lá bonitinho, tudo dentro do que se diz normal…

A – Cuidado com o que você diz normal.

Eu – Sim, normal dentro de uma sociedade hipócrita, mas vamos lá, ai você cruza com uma pessoa que você nunca viu, e ai, gela a barriga, como costumamos falar, pulsa no chakra sexual…

A – Quem disse que você nunca viu?

Eu – Tá. Aqui nessa encarnação você nunca viu, de repente, é uma energia muito forte, quando vai ver já se esta num emaranhado de confusão, na maioria das vezes isso te acontece com pessoas comprometidas, ou de vida bastante complicadas. É um encontro premeditado?

A – Veja, mais uma vez cada estória é uma estória. Isso muitas vezes é um resgate, isso muitas vezes é um encontro de seres que tinham muita sintonia em vidas anteriores, pode ser um resgate também, levado a queda, porque não? Mas geralmente é um movimento, isso acontece quando é necessário um movimento.

Eu – Uma mudança na vida dessas pessoas?

A – Assim como posso dizer, que muitas doenças, muitos acidentes, de fato são sinais da necessidade de um movimento, são oportunidades de aprendizado. E não a certo, não a errado.

Eu – É! Não é a questão do certou ou errado, é que tenho acompanhado casos com terapia, que desses encontros, muitas vezes alucinantes muito frequente com casais que aparentam casamentos sólidos, e são raros os casos que essa terceira pessoa fica na vida dessa pessoa que teve essa paixão avassaladora, parece que essa terceira pessoa entrou na história só como um detonador de uma situação muito cômoda, já vencida, necessitando desse movimento.

A – Muitas vezes, lembre-se mais uma vez, quando nós falamos de resgate, e eu estou falando nós, aqui o grupo, não estou falando especificamente dos encarnados, mas quando falamos de alguns resgates, muitas vezes o meu resgate eu estou aqui próximo a você, mas o meu regate não é com você, mas nós dois manifestamos energias semelhantes e que possibilitam que isso ocorra. Ninguém consegue determinar a atração física que um sente pelo outro.

Eu – E as vezes nem é atração física, muitas vezes é uma atração espiritual mesmo que o ser como humano, acaba embolando no meio de campo e levando para o sexo, não?

A – Exatamente, então, existem varias formas diferentes de atrações, e ai fica sempre a duvida, viver ou não viver essa situação, cada um vai manifestar de uma forma diferente.

Eu para o grupo – Alguém quer fazer pergunta?

O grupo não se manifesta.

Eu – Você disse que ai, onde vocês estão vocês se agrupam por atração.

A – Sim, por sintonia, não necessariamente por atração, por vibrações de níveis parecidos, porque na realidade, são varias camadas, e é como se cada uma dessas camadas fosse de uma energia diferente, pense em vários volts, pense em voltagens diferentes, aqui entre os desencarnados, nós temos 110, 220…, aqui é mais ou menos dessa forma também, então o próprio ambiente acaba atraindo uma determinada vibração, isso faz com que os espíritos estejam mais próximos.

Eu – Não existe um tipo de atração entre dois espíritos que levam esses dois a viver uma vida entre os dois, isolados e não com o grupo?

A – Existe, isso é muito comum, da mesma forma que quando você for para o plano espiritual, muita das coisas do plano espiritual são adaptadas como você está adaptada no plano terreno. Você vê muitos livros falando sobre o plano espiritual com necessidade de veículos, porque que alguém precisaria de veiculo no plano espiritual, mas você já imaginou você passar muitos anos tendo que andar de carro, aprender a dirigir, aprender a pegar ônibus, trem, avião, e de repente você chega do outro lado e alguém diz para você, Vai lá Vilma, voe! Você acha que não precisa de treino nenhum? Na sua vida você fez alguma coisa sem treino, sem preparo? Voando! Então, da mesma forma, ainda vai haver esse interesse de alguns espíritos, sim, e não se esqueça de que maioria das coisas que se manifestam no mundo dos espíritos encarnados nada mais é do que cópias das coisas que acontecem no plano astral, no plano desencarnado, só que ai no mudo encarnado, todas essas camadas que no mundo desencarnado estão separadas, estão todas juntas ao mesmo tempo.

Eu – Por isso que causa esse choque?

A – Por isso que causa esse choque, por esses que você tem ainda santos vivendo praticamente como bandidos.

Eu – E pode, por exemplo, um, lá numa encarnação há mil anos veio com a missão de trazer um ato, uma atitude de amor, esse mesmo espirito pode encarnar agora com uma energia contraria?

A – O que você chama de energia contraria?

E U – Vir como uma pessoa que pratica roubos está na politica e é corrupto.

A – Veja, não existe involução, se alguém já estava preparado o suficiente para vir trabalhar o amor, ele não vai involuir, mas ao mesmo tempo todos os que estão trabalhando o Amor, não o fazem por serem perfeitos, e eles podem manifestar algumas imperfeição, não tenha dúvidas.

Eu – Eles podem encarnar numa época dessas com uma imperfeição que a sociedade discrimina.

A – Sim. Quem somos nós para julgar. Agora, muito do que a sociedade coloca, muda a cada tempo, muitos dos que vocês consideram heróis, se fossem requisitados, seriam bandidos.

Eu – É sobre isso já estudamos aqui.

A – E quantos dos seus heróis não são cultuados por serem grandes assassinos.

Eu – É, realmente, isso é uma roda viva, né?

A – Agora, aquele que veio para pregar o Amor dificilmente, vai vir pregar o ódio, se ele já tinha preparo suficiente, mas ele pode ter alguma manifestação sim, como todos, afinal, só o fato de ter encarnado já faz com que ele se manifeste pelos sentidos que nós já conhecemos os cinco sentidos.

Eu – Ok. Vamos voltar à sexualidade. Nós sabemos que o sexo, a excitação, tem muito a ver com hormônios, e os hormônios são produzidos por glândulas, pode o sexo excessivo se manifestar por um excesso nas glândulas hormonais e a pessoa nada têm a ver com isso? Um desequilíbrio dos hormônios?

A – Lembre os excessos e as deficiências glandulares também estão relacionadas com as energias dos Chakras, com as energias do períspirito, e essas manifestações obviamente tem relação com a Alma ali colocada, então quando você diz, pode acontecer… sem que a pessoa esteja participando disso, não, de forma alguma. Mas é que as manifestações vão ser diferentes.

Eu – Estou perguntando porque tenho uma adolescente aqui que faço terapia, ela transa, ela quer saber de transar, onde for como for, ela tem 13 anos.

A – Isso não depende dos hormônios, isso depende muito mais do espirito, com certeza. Porque você vê ao contrario, muitos corpos físicos que não deveriam ser capazes por não terem hormônios, gestarem. E ai vai dizer que é um excesso, será que esse excesso de hormônio não é exatamente a consequência do excesso de energia colocado nesse ponto, e o que é bom lembrar é que esse excesso de energia sempre vai tirar energia de outros pontos.

Eu – E é interessante, tudo o que se faz terapeuticamente não da certo, a menina não quer sair disso. Pode a família contribuir para isso?

A – Provavelmente essa manifestação de energia não seja só dela, nós não podemos esquecer que cada um de nós, mesmo no plano espiritual somos resultado de muitas relações e inter-relações.

Eu – E também a família, se os pais tem algum desvio nessa área também pode refletir no filho, não?

A – Tudo pode. Mas muitas vezes você tem pais sem nenhum problema vivendo super bem e que tem que passar por aquilo exatamente, porque eles não tendo problemas poderão ajudar esse espirito mais rebelde, e vice versa, muitas vezes pais terríveis, tem filhos angelicais que vem para diminuir um pouco aquele comportamento. É bom lembrar que não existe uma regra fixa, cada historia, cada um de nós, é a consequência de muitas energias que vem acumulando a muitas vidas, muitas encarnações. E essas energias é que vão dizer para onde nós vamos, e nada disso esta errado.

Eu – Não está errado, mas que é muito difícil lidar com isso tudo é. Principalmente numa sociedade como a nossa.

A – E a sociedade esta certa?

Eu – Não! Nem as famílias, é uma hipocrisia que não tem tamanho.

A – A menina ter desejo sexual é pecado, mas se ela se candidatar a deputada federal para roubar, desviar dinheiro é correto. E veja! Uma coisa importante é que a sociedade valorizou demais o sexo como uns problemas, mas a maior fonte de problemas é o abuso do poder, não o sexo. A maioria do s abusos do sexo acabam trazendo danos para o próprio interpretador do abuso.

Eu – É. O que deixa preocupado quanto ao sexo são as doenças, HIV, HPV, que estão trazendo tanto sofrimento, é sempre uma consequência.

A – Os abusos do poder já mataram muito mais gente em um minuto que as doenças venéreas mataram em um ano. Veja lá o que foi feito na primeira, segunda guerra, na guerra da Coréia, do Vietnã, agora na Síria.

Eu – Realmente, o sexo levaria muito tempo para destruir esse numero de pessoas, né?

A – Muito tempo! E tem aqui um dos companheiros dizendo que seria muito melhor se as pessoas estivessem transando que metralhando.

Eu – Porque será que o ser humano criou esse tabu. Sim, a gente sabe que as religiões trouxeram muito isso, mas porque essa barreira com o sexo?

A – Porque as grandes religiões perceberam há muito tempo que a energia sexual é uma energia muito potente, é uma energia criativa, e eles sempre quiseram o domínio sobre ela, os iniciados aprenderam a utilizar essa energia, só que o houve então, quem aprendeu não queria que os que vinham depois também o soubessem. Por exemplo, os que se tornam celibatários, a maioria não sabe por que se tornar celibatário, ele acha que deve se tornar celibatário porque o sexo é pecado, quando é exatamente ao contrario, os que determinaram a posição de celibatário sabiam que a vida de celibatário é uma oportunidade imensa de gerar uma grande energia sexual não usada para o ato sexual.

Eu – É canalizada para um outro beneficio?

A – Só que a maioria não explicou isso com os detalhes, e tem muita gente se tornando celibatário por medo de um relacionamento, ou por achar que o sexo é sujo, que o sexo é pecado, pecaminoso, então ai as religiões se tornaram grandes dominadoras, porque as grandes tradições já tinham esse conhecimento, então infundiram ideias errôneas para dominar a maioria das pessoas.

Eu – Falando assim, eu entendo que o sexo deveria ser livre?

A – O que você chama de sexo livre talvez seja uma manifestação da materialidade, como citei antes, e do desejo carnal, o sexo precisa também da confiança, precisa da concordância de dois seres, e da entrega de dois seres.

Eu – O que você esta querendo dizer, é o toque através do olhar, da manifestação só pela presença um do outro e se fundem na mesma energia.

A – Exatamente! Exatamente. Numa mesma sintonia, e que podem no ato, gerar a energia feminina trazendo toda energia da terra, e a energia masculina trazendo toda energia do céu. União importante para gerar uma vida, mas não só para gerar uma vida, mas para gerar uma amplificação das energias de ambos. Era para um casal quando sai de uma relação sexual estar muito mais energizado, mas o que acontece na maioria das vezes é o contrario, há um roubo, um vampirismo de energia. Você já leu as Cartas de Cristo, numa das cartas isso é abordado de uma forma muito intensa. É importante perceber. Se você for para tradições um pouco mais abertas, menos dominadoras, por exemplo, Budismo Tibetano, ele vai encarar o sexo de uma forma bem diferente, e assim mesmo até nas tradições que aprenderam a lidar com essa energia sexual, muitas vezes esse conhecimento foi pervertido.

Eu – Por exemplo, tem uma área do Yoga que se usa a elevação do ato até próximo ao orgasmo, mas não sente o mesmo, você deve conhecer.

A – Existem outras técnicas também, o grande problema é que a maioria das pessoas acabou depois olhando essas técnicas como técnicas de dominação, não como técnicas vinculadas muito mais ao que eu chamaria de erotismo que é a energia sexual propriamente dita, isso se perde, poucos são os que mantêm essa energia sexual dessa forma mais pura.

Eu – Pergunto se alguém do grupo quer fazer perguntas? Não?

Eu – Estamos com mais de 50 minutos de aula, se você tiver algo mais para complementar esse estudo…

A – Não, mas o importante é lembrar que todas as manifestações são importantes nesse mundo dos encarnados, e cada um encarnado esta tentando manifestar o seu melhor, muitas vezes esse melhor pode trazer algum dano, e geralmente o dano é para si mesmo, muito maior para si mesmo do que para o outro, mas, não olhar para o outro é que traz mais dano para si mesmo.

A – E nós encerramos aqui, agradecemos mais uma vez a oportunidade desses dialogos, lembrando que esse assunto é um assunto que deve ser tratado de uma forma mais tranquila possível, sem toda essa energia desvirtuada que é colocada na sexualidade. Seria muito importante que inclusive a energia sexual, e não a energia erótica, mas a energia sexual fosse explicada inclusive para as crianças, não com erotismo, não com manifestações genitais, mas entendendo como usar essa energia de uma forma a ajudar evoluir mais rápido.

Eu – Existe como se evitar essa energia genital, como você mencionou agora, e ensinar essa maneira sexual e não erótica?

A – Existe sim, a maioria das tradições mostra isso, inclusive a maioria das grandes tradições religiosas estimula isso, mas poucos são os que atingem esse grau de evolução.

Eu – Porque o adolescente, por exemplo, ele tem muito esse impulso sexual.

A – Sim, sim. Por isso é que a criança já deveria ser instruída para o uso dessa energia sexual, para que ela não se desvirtua numa energia erótica pura e simplesmente, ou até numa energia pornográfica. Que a criança aprenda como um ato saudável.

Eu – Então vamos encerrando, agradecemos todo grupo. Gratidão profunda. É muita alegria receber vocês aqui, que Deus ilumine a todos nós.

A – Nós agradecemos bastante, e agradecemos também aos nossos irmãos os fiéis de Nossa Senhora do Rosário dos Negros, que nos auxiliam nesse contato, principalmente intermediando as energias, facilitando nosso contato. E a supervisão de Pai Benjamin que sempre de uma forma carinhosa nos auxilia, nos instrui também aqui no plano espiritual, para que possamos nas comunicações também agir com Amor, porque nós também estamos em instrução. Nós nos despedimos.

Eu – Gratidão

Pai Benjamin se manifesta nos dizendo que precisamos aprender a lidar melhor com o Amor, não desvirtuar o Amor, parar de exagerar no nosso uso e abuso do poder, do controle sobre o outro, principalmente. Já é hora de se escutar mais e se falar menos. Já é hora de se Amar mais e se cobrar menos, isso faz parte do nosso aprendizado. E já é hora de se ter menos apego e mais Amor. E quando se falou do adolescente, o fez lembrar, que inclusive essa fase que vai acabar modulando o desejo sexual é importante, e que cada individuo vai passando pelas fazes de modulações e vai ocorrendo um amadurecimento desses desejos trazendo um equilíbrio maior, desde que o aprendizado seja com naturalidade.

Eu – Está se manifestando muito cedo essa energia, né Benjamin? Muito cedo!

PB – Sim, e ao mesmo tempo esta se desgastando muito cedo pelo uso abusivo.

Eu – Então seria ensinar esses adolescentes como? A controlar isso? Direcionar essa energia para uma outra coisa? Como fazer?

PB – A maioria das tradições sabe como fazer, eles vão criar meios de instrução, mas instrução com Amor, que não é o que acontece na maioria das escolas hoje em dia em todos os Países. Mas a instrução com Amor, a instrução de compaixão, a instrução de olhar o outro de outra forma. Um Ser que foi educado com compaixão, um Ser que foi educado a respeitar, a pensar sobre o outro não dessa forma egoísta, vai manifestar essa energia sexual de uma forma muito mais tranquila, e quando eu digo tranquila, não digo pouco intensa, tranquila, mas de uma intensidade pouco encontrada entre os encarnados. Gratidão!!

Eu – Gratidão Benjamin.

  Categories:
Ler Mais Artigos

Sobre o Autor do Artigo

Vilma Aparecida Mascagni

Ler Mais Artigos
%d blogueiros gostam disto: