Estudo 28/03/2013 – A carência

Estudo 28/03/2013 – A carência
fevereiro 08 20:48 2015

Grupo de estudos no dia 28/03/013.

A pagina aberta no evangelho foi a pg 130. O texto,“ O orgulho e a caridade´´.

O tema abordado para estudo de hoje foi a CARÊNCIA.

O texto do estudo foi canalizado por um dos sensitivos do grupo.
 
O mentor que nos passou as informações se apresenta como Alastor, se diz um membro do grupo espiritual que foi determinado para os ensinamentos do grupo da“ Fraternidade Cristais de Luz´´. Diz que vai ser o porta vóz deste grupo hoje, e diz ser um estudioso dos conflitos,e estar sempre estudando os conflitos e como interceder junto a quem está passando por um momento de conflito, por isso ele foi escolhido para falar sobre a carência.

Vou usar nas perguntas, Eu, dirigente do grupo, e nas respostas, A, de Alastor, nosso mentor hoje.

A – Começa dizendo que estamos muito pouco acostumados a lidar com emoções, principalmente as emoções que geram conflitos, e a carência é uma das principais porque nós conseguimos ver os conflitos quando eles são externos a nós, quando o conflito vem de outro, mas nós temos muita dificuldade para entender o conflito interno, e a carência é uma forma de manifestar esse conflito interno. “Eu só manifesto carência quando eu não sou suficiente para mim mesmo, quando eu acho que eu não sou o que eu preciso, e quando eu acho que o que eu preciso está no outro, o conflito é interno. Eu não me aceito, eu não me admiro, eu não consigo inclusive me amar, e, ai eu vou buscar no outro suprimento dessa carência, e isso acaba eternizando-a , porque há sempre uma expectativa de que nunca vai ser suprida, e a única forma de trabalhar a carência é considera-la como uma chave, uma chave que mostra quais os pontos em que eu preciso me aperfeiçoar, ou os pontos aos quais eu preciso dar mais atenção. Desenvolver em mim o que eu creio me faltar. São pontos a serem aperfeiçoados.”

Eu – Então quer dizer que a carência, se ela está no relacionamento, ela pode vibrar nas outras áreas da vida, ou não? Ou existe uma carência para cada situação.

A – A carência é uma só, mas ela vai ter diversas manifestações, e cada manifestação denota um sentimento de inadequação interna, e, ai ela vai refletir nos relacionamentos, mas porque EU me sinto inadequado. A carência é sempre, interna,é o grande conflito comigo mesmo. Eu só me torno carente quando Eu me acho insuficiente, a partir do momento que eu consigo suprir toda as minhas necessidades Eu não preciso mais ter carência e ai EU passo a ter relacionamentos não mais para me completarem, eu passo a ter relacionamentos para me acompanharem Eu passo a ter relacionamento para caminhar junto, sejam relacionamentos afetivos sejam relacionamentos profissionais, sejam relacionamento de amizades Quando eu num relacionamento sinto que eu estou suprindo uma carência esse relacionamento está fadado a me trazer mais problemas, porque é como tapar o sol com a peneira. Quando eu percebo uma carência Eu devo olhar para dentro de mim, o que isso reflete em mim, e não mais olhar para o outro.

Eu – Uma pessoa carente consegue amar realmente?

A – Na maioria das vezes não, na maioria das vezes a carência vai fazer com que crie expectativas e é a busca de suprir essas expectativas que vai trazer essa aproximação, esse magnetismo que na maioria das vezes não é amor( porque o amor liberta), acaba sendo muito mais apego, o apego aprisiona é como se eu precisasse ouvir o canto do pássaro e eu o colocasse numa gaiola, ele nunca mais vai ser feliz, em compensação quando eu amo, eu alimento o pássaro, para atraí-lo para que ele cante para mim mas continue livre!

Eu – Então quer dizer que a carência e o apego caminham juntos na mesma proporção?

A – Na realidade eles são manifestação do mesmo sentimento, EU só vou criar apego quando EU quero algo para me suprir, ou para suprir as minhas carências e isso é uma manifestação maior. Tanto a carência quanto o apego são manifestações maiores de um único sentimento, o egoísmo.

Eu – O egoísmo?

A – Sim o egoísmo.

Eu – Então quer dizer que em todo sentimento de carência tem camuflado o egoísmo?

A – Sim ,porque eu acho que as outras pessoas tem obrigação de cuidar de mim, de resolverem meus problemas, de preencherem essa carência de fazerem algo, quando na realidade eu ainda não percebi que todos os recursos que eu preciso, todos os recursos que um ser precisa vão estar dentro de si mesmo. Eu só preciso usar as minhas ferramentas, é como se eu estivesse numa roça, fazendo um roçando com todas as ferramentas a minha disposição e a toda hora Eu fosse para o vizinho pedir emprestado uma pá, uma picareta, uma foice, e as minhas estão todas ali, e são inclusive melhores.

Eu – Então quer dizer que essa pessoa não consegue lidar com seu conteúdo interno, está sempre buscando fora? não usa nunca seu potencial?

A – Sim porque quem esta carente não se aceita.

Eu – Não se aceita?

A – Não se aceita em nenhum ponto.

Eu – A carência, nós trazemos de vidas anteriores e é um sentimento que é fortalecido na infância, ou ela é adquirida na infância? ou existem as duas condições?

A- Você já explicou, as duas são verdadeiras. Nós trazemos de outras vidas manifestação de carências reativas a situações que nós vivemos. O que nós temos é muito da vitimização. Ó pobrezinho de mim como eu sofro, e, ainda na infância nesta encarnação isso pode ser reforçado, ou não, e mesmo depois, dependendo das experiências quando eu não olho as minhas experiências mais cuidadosamente, quando Eu sempre imputo aos outros a culpa dos meus desenganos e das minhas falhas, isso gera carência É o Egoísmo, porque Eu me acho sempre Vitima. O ser iluminado que já percebeu que é um ser humano portador de uma centelha de Deus, nunca vai estar carente, nunca vai ter carência, ele se basta, ele é feliz, porque ele descobriu que Ele é uma manifestação Divina, e é óbvio, ele vai procurar conviver com as pessoas, mas, não para tirar nada delas, não para vampirizar as pessoas, não para controlar o outro, mas para celebrar,para ensinar, para amar, e o amor nunca prende, é exatamente como o pássaro o apego faz com que pelo meu gosto pelo canto eu aprisione o pássaro o amor faz com que pelo gosto, pelo gosto pelo canto eu alimente muitos pássaros.

Eu – Por exemplo, quando um espírito encarna ele já traz com ele essa carência, já que estamos na lei de causa e efeito, ele chega numa família e condições que vão intensificar esse estado carente. Esse espirito tem como sair disso sozinho sem entrar na evolução dessa carência?

A – Com certeza!

Eu – Nós trazemos essa força dentro de nós?

A – Trazemos! mas muitas vezes nós não gostamos, porque é muito mais fácil viver o papel de vitima.

Eu – Então em todas as situações quando encarnamos dentro do pacote que trazemos para aprender, nós temos condições de sair disso sozinhos?

A – Sim, só não sai quem não quer, muitas vezes nós não queremos.

Eu – Isso é uma provação para o espírito? um aprendizado,?

A – Sim um aprendizado, não coloque como provação, ai vai parecer como castigo, use como prova, uma prova para o espírito, é um momento em que ele vai mostrar que ele é capaz de passar por isso.

Eu – Ele desenvolve o poder de transmutar isso, seria isso?

A – Exatamente! Então é importante que quando você se sentir carente, perceba que isso é normal, ao invés de sair por ai tentando suprir essa carência com o outro, você diagnostique qual o fundo dessa carência em você, e como trabalhar isso. E quando você já não mais estiver carente, celebre com o outro

Eu – É uma maneira de aprender a trabalhar isso e não fazer mais parte dessa condição?

A – Sim a cada vez que eu sinto carência eu tenho que olhar para mim, o que é que isso esta refletindo em mim, o que é que falta? que experiência eu vivi nessa e em outra vida. E eu não preciso saber toda a experiência também , eu não preciso saber tudo que aconteceu, mas eu posso sentir que tipo de experiência eu tive, e onde está esse vazio, e ai eu uso as minhas ferramentas para preenchê-lo, ai quando eu ser inteiro, humano, portador de uma centelha de Deus, ai sim eu posso viver relacionamentos de verdade, relacionamentos afetivos, relacionamento de amizade, de trabalho, porque até então, os relacionamentos são de mentira, eles são parasitismos.

Eu – A carência também se manifesta nos alimentos, a compulsão alimentar é uma carência? A compulsão de compras?

A – Sim. O excesso de trabalho também, quem disse que vocês precisam trabalhar tantas horas? onde está escrito isso?

Eu – Eu acho que não está em lugar nenhum, criou-se esse ritmo.

A – O problema é que algumas carências,como esta que acabamos de citar, foram criadas pela sociedade e estimuladas, e se você não quebrar esse ritmo, vai quebrar a si mesmo.

Eu -É o que está acontecendo né, as pessoas estão se arrebentando.

A – As pessoas se convenceram que elas precisam trabalhar 16 horas por dia, e não existe fundamento nenhum para isso, as pessoas se convenceram que elas precisam ter sucesso material o tempo todo, não existe fundamento para isso. As pessoas se convenceram que elas precisam ter cada vez mais, e cada vez mais elas são espíritos insatisfeitos, porque elas sempre querem ter mais, e quando elas tem mais não desfrutam, porque vão querer mais ainda.

Eu – Então o ser humano perdeu a referência de uma lei universal, seria isso?

A – Talvez seja pior, talvez no mundo dos encarnados e mesmo no mundo dos desencarnados, haja muitas outras referências que foram imputadas no ser humano, e muitas pessoas, muitos espíritos encarnados e muitos desencarnados aceitaram isso como verdades, por isso que ainda nos mundos onde vivem desencarnados em vários planos, ainda existem lideres que conseguem manter sob seu julgo outros espíritos porque os convenceram de que eles são prisioneiros, quando na realidade quando desfeito o jugo da carne nenhum espírito precisava ser prisioneiro. Então muitas das crenças obrigaram a acreditar, vocês aqui encarnados e nós desencarnados precisamos aprender a nos livrarmos dessas crenças, porque essas crenças são limitadoras, essas crenças prendem o espírito.

Eu – Eu não gosto de usar essa palavra, difícil, mas no movimento em que se encontra a humanidade, se pessoas tentarem fazer isso vão sofrer, sofrer muito, porque não acompanham o fluxo dos outros. A humanidade vai ter que adquirir uma consciência muito grande de tudo isso. Toda vez que temos um estudo eu percebo o quanto estamos longe disso, e ao mesmo tempo se eu encaixar esse modelo na minha vida, vai ficar pior.

A – Pior em que sentido? em que referencia? será que vai ficar pior ou será que você vai se tornar mais livre, e essa liberdade dá medo, mais independente, e essa independência dá medo, mais integra, e essa integridade dá medo. É como se você estivesse na beira de um abismo e alguém dissesse, salte!, e você só soubesse que ia se arrebentar lá embaixo, a proposta é, na beira do abismo e alguém dizendo salte, aprenda á voar agora! Mas ainda da tempo, não precisa ser muito radical, a mudança não precisa ser radical, mas é importante ver as diferenças. Se vocês prestarem atenção em como a humanidade mudou, quer seja, nos últimos cinco anos da terra, nos últimos dez anos terrestre, perceba como as pessoas mudaram, como os paradigmas mudaram, perceba o quanto se sofreu antes, por coisas que hoje são aceitas naturalmente.

Eu – Mas eu ainda acredito, posso estar errada, que uma minoria entrou neste processo, porque essas coisas foram meio que desmoronadas, mas as pessoas continuam presas a elas ainda.

R – A maioria sim, mas essa minoria já conseguiu modificar muita coisa. Só que o grande problema é que no plano terreno o tempo é um limitante que nós não temos no plano espiritual, e existe muita pressa, todo mundo acha que vai acontecer uma revolução, o próprio Cristo sofreu por isso porque os seus contemporâneos que dizem que viviam muito próximo dele, que o conheceram, queriam que ele levantasse a mão e transformasse tudo, e não é isso, não é isso que é importante. Ele sabia disso, Ele queria transformar as Almas, Ele queria transformar os desejos, Ele queria apaziguar essas crenças, e não transformar o mundo com um aceno de mão , isso seria injusto, seria como se você pegasse uma criança na pré-escola e desse um diploma universitário a ela, injusto! Então nada vai acontecer de supetão as coisas vão mudando, a humanidade vai evoluindo, aliás se você prestar atenção nem dá mais para dizer que é devagar, as mudanças já estão muito rápidas mas não são todas as pessoas que vão se adaptar as mudanças. Agora é um período de seleção, muitos vão ficar ligados a esse plano, a esse orbe, muitos serão selecionados para outros orbes . Alguns terão que lidar com seu lado animal, com encarnações muito mais instintivas, outros praticamente deixarão de ter corpos físicos pela não necessidade. Isso vem acontecendo a muitos séculos e existem períodos de intensificação e agora é um desses períodos. É como se você estivesse numa escola em um grande período de exames finais, e muitos vão passar, alguns não.

Eu – Então é por isso que..nas aulas que temos aqui sempre disseram que estamos presenciando um momento em que os relacionamentos estão desmoronando, muitos relacionamentos! seria a tomada de consciência dessa carência?

A – Sim, porque a maioria dos relacionamentos são baseados em apego. Veja por exemplo os relacionamentos que aconteceram no clero, os relacionamentos que acontecem nas grandes religiões, todos estão sendo contestados, eles eram baseados na carência e na ameaça, ninguém quer mais isso.

Eu – Me parece que isso está acontecendo em todas as áreas, famílias…

A – Sim! no trabalho, aliás os paradigmas de trabalho vão ser bastante modificados, vocês precisam estar preparados, isso não significa que vai ser horrível isso não significa uma mudança terrível isso significa um período de grandes oportunidades, mas oportunidades para aqueles que se esforçarem,para aqueles que buscarem. O trabalho como vocês conhecem vai ser muito modificado, e os seres humanos vão ter que se preparar para isso, sem tanto planejamento, todos os paradigmas administrativos tem caído por terra.

Eu – É tem dado para perceber, principalmente em empresas familiares, empresas grandes desmoronando…

A – Sim! as empresas que só visam lucro…., ninguém mais deve gerar só lucro, o lucro não é um mal em si, o problema é como você atinge esse lucro! Se você atingir o lucro para o bem e a felicidade geral da empresa e para o bem estar de todos, essa empresa vai ter cada vez mais lucro, mas se você prejudicar e não respeitar as pessoas para obter esse lucro, esse lucro se torna um instrumento da sua perdição, e a culpa não é do dinheiro, o dinheiro é só um instrumento.

Eu – Nos grupos espirituais está acontecendo este mesmo movimento?

A – Sim! Esse movimento é geral, muitas pessoas se aproximarão, muitas outras pessoas se afastarão, justamente por causa desta seleção deste momento, é como se vocês estivessem passando pelas provas finais. Não é um momento de grande mudança no sentido da humanidade, mas sim um momento de reajuste.Como num televisor,você não está mudando de canal, você está melhorando a sintonia do mesmo canal, está sendo colocado numa sintonia mais fina, tirando o chiado, mas não é uma mudança de canal como muitos tem pregado. Os que pregam isso continuam gritando isso, são os que se chamam de gralhas do apocalipse, e isso vem desde antes de Cristo.

Eu – Estão sempre arrumando uma data para o final dos tempos?

A – E geralmente eles tem a solução para isso, isso existe.

Eu – Agora eu vou fazer uma pergunta que eu fico preocupada as vezes, hoje estamos aqui em três pessoas para ter essa aula. Para vocês se deslocarem, não sei como isso funciona, para três pessoas apenas, pretendo levar isso para mais pessoas claro, mas não é ruim para vocês?

A – Ruim porque?

Eu – Poxa! se precisamos tanto deste aprendizado, e apenas nós três!

A – Se vocês três ouvirem isso, fecharem seus ouvidos e isso não mudar nada nas suas vidas, houve perda de tempo, mas nós estudamos, foi bom para nós sem dúvida, nós somos um grupo muito grande, não se iluda, então esse grupo se reunindo, estudou e isso trouxe um beneficio incrível. Vocês também não estão sós ,existem vários outros espíritos aqui presentes que não são membros do nosso grupo, mas que vem também aprender. Mas cada um de vocês pode se tornar um agente de multiplicação, só de você escrever isso e colocar num meio eletrônico como chamam, acabou o problema. Se você vir as canalizações daquele livro “As Cartas de Cristo´´foram feitas para uma pessoa só.

Eu – Sim ! tantas pessoas leem esse livro, tem estudos usando o livro também. É bonito saber que um tema abordado aqui por nós, nosso grupo, possa movimentar um grupo bem maior numa outra dimensão, isso fortalece a minha fé, dando forças para continuar.

A – E movimenta de uma forma muito benéfica, porque muitas vezes nós não percebemos todas as nuances dos sofrimentos e dos anseios que ocorrem na terra, e nós precisamos dessas informações inclusive para poder auxiliar nesse período no planeta, senão vai ser como acontece com os seus políticos que fazem projetos sem saber qual o anseio das pessoas que receberão esses projetos. E nós não queremos fazer projetos com os nossos conhecimentos, nós queremos fazer projetos importantes para as pessoas que os receberão.

Eu – Certo!

A – E o número é tão relativo, nada está errado, tudo está certo, se for para três é porque tinha que ser para três vai chegar o dia que talvez seja para um só, talvez seja um teste para este, um teste para sua esperteza, para sua capacidade de comunicação, não se preocupe está tudo certo.

Eu – Voltando ao tema da carência. É ela que faz com que os relacionamentos acabem se tornando violentos?

A – Nem sempre só pela carência muitas vezes pelas crenças, bastante deletérias, e a violência num relacionamento é muito relativo, você sabe disso. Nós temos que sair urgentemente dos papéis de vitimas e vilão. O texto de hoje (O CISCO E A TRAVE NO OLHO- pg 130- O orgulho e a caridade) falou exatamente sobre isso, é muito mais fácil olhar o cisco no olho do outro, do que a trave diante do seu nariz.

Eu – O que eu estou entendendo é assim, os movimentos que existem nos relacionamentos, são necessários depende de como se lida com isso. Ex; um casa lem que um é mais agressivo, mais explosivo, isso é necessário para que se aprenda a desenvolver uma harmonia sem que um entre no papel da vitima?

A – Sim, não existem vitimas nem vilões, existem só relacionamentos, e cada relacionamento vem para trazer um ensinamento, é uma visão muito estreita, essa visão dos vilões e das vitimas.

Eu – Mesmo que isso leve a um acontecimento, uma situação mais séria?

A – O que é uma situação mais séria ? um assassinato?

Eu – É vamos por ai, vai que acontece um assassinato!

A – Uma vida de setenta, oitenta, noventa, cem anos dividida pelo infinito (vamos usar a matemática: quanto é um numero dividido pelo infinito, mesmo que ele seja imenso, o resultado vai ser zero). O que acontece é, que os encarnados acabam valorizando pequenos episódios, e que significam tão pouco.

Eu – Então não vai existir harmonia nunca nos relacionamentos?

A – Sim, existe harmonia em relacionamentos, quando dois seres humanos íntegros se encontram para celebrar. Quando seres que estão carentes se encontram para suprir suas necessidades, não! Porque nem um deles se permite ser integro, a relação se baseia em parasitismo. Se o relacionamento estiver baseado em amor e não em apego, ai sim! Existem muitos relacionamentos assim, e não só relacionamentos afetivos, como relacionamentos de trabalho, de amizade, já existem! Muitos.

Eu- É!, porque se estamos na lei da causa e efeito, se você atrai o agressivo é porque você tem a agressividade em você, se atrair o acomodado…, ai você tem que usar essa relação para trabalhar isso também?

A – Sim, você pediu isso para si mesmo, na maioria das vezes você não atrai, você pede, você foi buscar. Não há vitimas.

Eu – É!, entendendo assim, não há vitimas mesmo, é que se vende a todo momento essa condição da vitima em toda mídia, e isso se torna mais forte.

A – Sim, sim, e as pessoas que aceitam isso acabam se sentindo assim. São mulheres que acham que os homens são violentos sempre, e vão assim criando generalizações horríveis.

Eu – Ai então nós saímos do conceito, mulher sexo frágil. Eu nunca aceitei isso como verdade, sabia!. Acho que tem muitas mulheres por ai que são piores, mais grosseiras e agressivas que homens.

A – Na verdade na maioria das vezes as chamadas mulheres frágeis produzem filhos extremamente agressivos, e nem elas são tão frágeis e nem eles são tão fortes. É para suprir as carências das mães que eles, filhos, se tornam assim, se manifestam com toda a agressividade que elas não tiveram a coragem de manifestar.

Eu – Interessante isso!.

A – Não existem fragilidades, óbvio que existem diferenças físicas entre corpos masculino e femininos, isso é necessário ainda, para que espíritos possam viver experiências um pouco diferentes, mas, não existem fragilidades, não existe vitima, nem homens são vilões, nem mulheres são vitimas. Porque seria uma generalização absurda.

Eu – Sim fazendo essa analogia da causa e efeito, e a lei da atração, realmente. Nossa!! nós entramos automaticamente num ritmo em que se perdeu a referencia da realidade com as leis naturais.

A – Sim, a sociedade tem feito isso com esse problema que você citou do gêner,o mulheres tem perdido todas as qualidades que deveriam manifestar , e homens também. Homens deixam de ser protetores, deixam de ser provedores e se tornam parasitas, e mulheres deixam de ser acolhedoras, deixam de ser cuidadoras e se tornam agressivas, e perdem a referencia, se desequilibram.

Eu – É realmente perdeu-se o ritmo natural.

A – Sim, e muito mais, se você se aprofundar vai perceber que se perdeu a referencia em nome de um materialismo extremamente arraigado. Mulheres precisam de sucesso profissional, se tornam competitivas, e se tornam mais masculinas que muitos homens, nas atitudes, não na sua manifestação de sexualidade. Não temos ninguém cooperando, temos sim muita COMPETIÇÃO.

Eu -Competição né.

A -É, o ser humano foi preparado para COOPERAR, e não para COMPETIR.

Eu – E na evolução dessa condição, vamos assim chamar, acho que estamos no pico desse desequilíbrio, estou errada?

A – Todo incomodo é necessário para gerar um reajuste, se ninguém nunca tivesse se incomodado, os espíritos estariam ainda na erraticidade sem atitude, sem atividade .Então todo incomodo vem para mostrar a necessidade de uma evolução. Inicialmente talvez ela se manifeste mais no ponto de vista material, depois ela se torna mais moral, e depois ela se torna mais espiritual. Se você for estudar os livros espíritas de Kardec, ele fala que dessa necessidade dessa evolução material levando a evolução moral, mas ele ainda não tinha entendido naquela momento a evolução espiritual. Existia uma confusão entre a evolução moral e a evolução espiritual, elas são um pouco diferentes

Eu – E nesse momento está se dividindo a evolução moral e a espiritual?

A – Sim! sim.

Eu – Então existe esperança, vamos assim dizer, não muito rápido, mas a humanidade neste momento está num ponto muito importante dessa nova consciência?.

A – Sim talvez daqui a algum tempo esse planeta seja designado para ser colonizado por seres menos evoluídos.

Eu – Menos evoluídos?

A – Ou mais evoluídos. Isso vai depender dos lideres. Pode ser que os seres mais evoluídos desse planeta sejam levados para outra orbe, e esse planeta volte a ser um planeta de expiações.

Eu – Expiações!

A – Sim, vamos ver, numa sala de aula, depois de uma grande prova em que se tem alunos aprovados, e alguns reprovados, talvez aquela sala seja usada para uma quinta série num ano seguinte, e, talvez ela vá para uma primeira série, o planeta é assim também. Ele tem um ritmo de evolução, mas ele também pode ser utilizado para ser dos menos evoluídos.

Eu – Eu sempre tive uma duvida e gostaria de perguntar. Se nós somos uma centelha Divina para que tudo isso?

A – Principalmente para aprendizado, para que essa centelha Divina possa caminhar um pouco mais, e a dificuldade é se reconhecer a centelha Divina no outro, principalmente cuidado para não interpretar tudo isso como se fosse um brinquedo de um adolescente Mas é toda uma orquestração extremamente bem delineada para que todos esses espíritos criados com muito amor, que ainda são individualidade se tornem um com o todo. É como se fosse dentro de você, desenvolver atividades diferentes, cada um de vocês cada um de nós vai buscar uma coisa para se tornar novamente o todo, não como castigo nem como sofrimento, mas para realimentar esse todo que não evolui, e a evolução é necessária para essas centelhas que se separaram do todo, mas quando elas voltam para o todo acaba….mas não é o fim.

Eu – Então com tudo isso, o sofrimento, por exemplo quando perco alguém da família, o sofrimento….isso não tem que existir?

A – Primeiro como alguém pode sofrer por perder alguém que nunca teve?quem é dono de quem?

Eu – Sim mas a gente tem filhos, a gente tem mãe, tem um monte de coisas.

A – Apego !!

Eu – Apego! Meu Deus!

A – Quem morre? ninguém morre.

Eu – A gente se separa, né?

A – Ai vem,… eu passei trinta anos…que são trinta anos?, novamente a matemática já explica, trinta dividido pelo infinito é zero, não da para ser alguma coisa, é zero. É difícil entender essa vacuidade do infinito quando se está preso no tempo e espaço por esse costume da encarnação, mas o tempo e o espaço são ilusórios.

Eu – É interessante! Mas se alguém agir diante de uma perda, ou uma doença, e tratar isso de uma maneira natural vai ser considerado frio, indiferente, e isso gera uma culpa.

A – Então não foi encarado de maneira natural! Que se fosse natural não geraria culpa a qualquer crítica. Ainda é apego, e é necessário olhar para esse apego.

Eu – Enquanto estivermos preocupados com a opinião do outro nós estamos no apego?

A – Com certeza é apego.

Eu -Alguém do grupo quer fazer perguntas?

Integrante do grupo – A carência afetiva e a carência de uma necessidade física alimentar residir, é diferente da carência afetiva, o vazio, com o passar fome, a fome é considerada carência vamos assim dizer.

A – É que na realidade é um problema do léxico da palavra, mas a maioria das pessoas acaba desenvolvendo carência não do alimento necessário porque a maioria dos espíritos encarnados já não sabe mais qual é o alimento necessário a quantidade de alimento necessária, ai sim, passa a ser carência quando eu não tenho a necessidade, e, crio a necessidade de ter caviar no jantar, quando crio a necessidade de morar numa cobertura, numa região extremamente valorizada, isso não é mais necessidade, isso é carência afetiva também, e ai elas são a mesma coisa. E a carência em suma ela é a antítese da gratidão.

Eu – Então uma pessoa muito carente não tem gratidão?

A – Ela não reconhece o que ela tem, e ela se fixa no que ela gostaria de ter,e ela cria a carência.

Eu – Ela busca a necessidade do ego?

A – Não é nem necessidade, ela busca suprir mais o ego ela busca se diferenciar, ser melhor,porque essa é a competição que tem sido estimulada, que você trabalhe muito, que você seja um empresario de sucesso, que você crie muita riqueza quando na realidade deveria ser cooperação, e é isso que vai mudar o paradigma do emprego, do trabalho, dos relacionamentos. Relacionamentos de pessoas que se completam vão por água abaixo.

P – Quer dizer que um relacionamento nesta condição, de pessoas que se completam não é o correto?

A – Só podem se amar, duas pessoas inteiras que celebrem juntas.

Eu – Que não precisam de complemento nenhum?

A – Exatamente!

Eu – Eu não preciso que você me complemente em nada, nem eu preciso complementar nada em você, eu sou inteira, você é inteiro

A – Sim, e que não precisem um do outro, mas que pode celebrar o encontro, e que sabem que se o encontro acabar, continuem celebrando.Isso não significa ser fútil ! Isso significa simplesmente libertar o outro. Porque quem ama quer que o outro seja feliz, não quer que o outro fique embaixo das suas asas.

A – Um aqui do nosso grupo pede que eu fale que a carência não tem nada a ver com a área de nascimento, da economia, da cultura ou da educação. Ela tem muito mais influência do olhar, da capacidade de se auto analisar de se auto olhar, e da capacidade de se auto respeitar. O respeito já foi enfocado antes, e quem não se auto respeita, não pode respeitar o outro. Jesus disse“Amai ao próximo como a ti Mesmo´´se você não se amar, você vai dar uma porcaria para o próximo.

Eu – Vamos encerrando, com muita gratidão.

A – Nós vamos agradecendo, o grupo é bastante grande mesmo, nossas irmãs que já se manifestaram, Yoshdara, e a outra irmã da aula anterior que prefere não dar nome, agradecem mais uma vez e dizem que vão continuar sempre acompanhando esse grupo, e fazendo com que a energia seja cada vez melhor, mas cuidado também para não ficarem segurando as energias mais pesadas, deixem que elas se vão, isso também as vezes também é apego.

Eu – Nossa gratidão é imensa,cada momento desse vale como uma vida de aprendizado para cada um de nós, e até a próxima semana.

A – O tempo aqui é muito diferente do tempo ai, e para nós é muito relativo, para nós é como se nós continuássemos a conversa , para nós, nós continuamos aqui reunidos.

Eu – Então basta estarmos presentes em intenção aqui?

A – Presentes em intenção, e mais do que isso, presentes em integralidade. Que as pessoas não venham até aqui pensando nos seus afazeres, nas listas de compras, que possam estar inteiras aqui, isso nos facilita também.

Eu – Então muito obrigada, e até agora, já que não existe o tempo.

A – O tempo é relativo, não se preocupe.

  Categories:
Ler Mais Artigos

Sobre o Autor do Artigo

Vilma Aparecida Mascagni
Vilma Aparecida Mascagni

Ler Mais Artigos